Na contra mão…

Não existem contradições maiores do que discutir os cuidados necessários para sobreviver, hoje o que vemos são números ultrapassando a marca registrada do dia anterior. E, contudo, o nosso governo não consegue chegar a algum planejamento, e sustenta toda essa borda numa falta de organização de todos os lados, propagando essa balburdia desgeneralizada.

 

Os assustadores aumento das mortes pelo Brasil inteiro, mostra como estamos de mal a pior, hoje chegamos a marca de 48.427 mortes, pelo coronavirus, superando 1.200 o número de mortes pelo terceiro dia consecutivo, 1.009.699 pessoas diagnosticadas segundo levantamento, chegando a mais de 1 milhão de infectados…

 

Vale lembrar que se relatam subnotificação na data de hoje por conta de problemas no e-SUS, ferramenta ligada ao Ministério da Saúde e utilizada para a contabilização dos dados. No entanto as novas mortes pelo coronavirus foram 274 — o terceiro pior dia de toda a pandemia e a maior alta em 14 dias, apenas São Paulo registrou mais óbitos (325) …

 

 

Nas últimas 24 horas foram registradas 1.204 vidas perdidas, além de 23.050 novos casos, já o Ministério da Saúde contabilizou 1.238 mortes e 22.765 casos de ontem para hoje. Segundo o governo federal, o País tem 482 mil pacientes recuperados desde o início da pandemia e 448 mil seguem em acompanhamento.

Os estados com maior número de óbitos são: São Paulo (11.521), Rio de Janeiro (8.138), Ceará (5.282), Pará (4.350) e Pernambuco (4.009). Ainda figuram entres os com altos índices de vítimas fatais em função da pandemia Amazonas (2.579), Maranhão (1.570), Bahia (1.222), Espírito Santo (1.169), Alagoas (811) e Paraíba (696).

 

 

Os estados com mais casos confirmados de covid-19 são: São Paulo (191.517), Rio de Janeiro (86.963), Ceará (84.967), Pará (74.192) e Maranhão (64.735).

 

 

 

E nesse disse me disse, cada um joga a culpa no outro e nosso representante maior continua a criticar a OMS, dizendo:

“A OMS fica o tempo todo num vaivém: máscara protege, ou não protege; na quarentena, fica em casa, é bom, não é bom; a questão da Hidroxicloroquina… 24 horas depois muda de ideia completamente. A nossa OMS está muito deixando a desejar”, disse ele. “Fala-se tanto em foco na ciência, mas com todo o respeito: quem menos entende de ciência é a OMS”, completou…

 

 

Continuar a apontar o dedo no umbigo alheio e não mostrar resultados, não faz da pessoa melhor e nem pior, só mostra que nenhum interesse está tão logo de chegar… enquanto isso assistimos de camarote esse infinito aumento…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.